Resenha #172: Procurando Gobi


Título: Procurando Gobi
AutoraDion Leonard
Editora: Harper Collins
Nº de Páginas: 256
Encontrando Gobi é o relato milagroso de Dion Leonard, um ultramaratonista que atravessa longos percursos com um cachorrinho vira-lata enquanto compete em uma corrida de 155 milhas através do deserto de Gobi na China. 
O adorável cãozinho, que mais tarde ganharia o nome de Gobi, provou que o que ele não tinha em tamanho, tinha de coração, enquanto seguia Dion, acompanhando-o por 77 milhas. Vendo a incrível determinação do animal, o objetivo principal de Dion já não era mais ganhar a corrida, mas, sim, garantir que sua amizade com Gobi continuasse forte bem após a linha de chegada.
Embora não tivesse cruzado a linha de chegada em primeiro, Dion sentiu que ganhara algo ainda maior - uma nova visão da vida e um novo amigo que ele planejava trazer para casa assim que possível. No entanto, antes que isso pudesse acontecer, Gobi desapareceu na grande cidade chinesa. Dion, com a ajuda de estranhos e da internet, começou a rastreá-la e se reuniu para sempre com o incrível animal que mudou sua vida e provou a ele e ao mundo que os milagres são possíveis.

Olá pessoal, tudo bom com vocês? Hoje venho com uma resenha sobre outro livro que comecei a ler acreditando ser algo e na verdade tratava-se de um gênero distinto. Vamos saber um pouco sobre Procurando Gobi?

A verdade é que essa cadelinha me mudou de tal modo, que só agora começo a compreender. E, talvez, nunca chegue a entender totalmente. Só sei que procurar Gobi foi uma das coisas mais difíceis que fiz na vida. Mas ser encontrado por ela, ah, essa foi uma das melhores coisas que me aconteceu.

Procurando Gobi, ao contrário do que eu imaginava, é uma autobiografia escrita pelo ultramaratonista Dion Leonard, um homem marcado por seu passado difícil no qual passou por várias provações desde a morte de seu pai. A mãe sofria preconceito na sociedade e este se estendia ao filho, que cresceu sem muito tato para fazer amizades e se aproximar das pessoas.

O mesmo é casado com Lucja, uma mulher que sempre o apoiou e lhe deu forças, sendo esta a responsável pela iniciação de Dion Leonard no maratonismo e após no ultramaratonismo.

Quando vi essa capa, acreditei que seria uma história semelhante a Sempre a seu lado, ou até mesmo Marley e eu (a capa dá essa impressão, vai rs), mas na verdade, não é nada disso.

Aqui, em meio a uma maratona no Deserto de Gobi, na China, Dion Leonard começa a ser acompanhado por uma cachorrinha que surge do nada em sua vida. A mesma é tão cativante que acaba se tornando a companheira do corredor solitário, que lhe dá o nome de Gobi, tendo em vista o lugar onde se conheceram, e ele decide leva-la para casa.

Ocorre que, como todos sabemos, não é fácil levar um cachorro de um país a outro e isto se complica ainda mais quando trata-se de um “cachorro de rua”. 

À partir desta decisão, vemos o livro se desenrolar e acompanhamos toda a saga de Dion para tentar levar sua amiguinha de quatro patas para a segurança de seu lar.
Bem, eu fui esperando um drama e me deparei com uma autobiografia que no início trouxe muito em seu texto sobre o ultramaratonismo, sobre a preparação para prática do esporte, sobre o início das corridas e as dificuldades em seus percursos e confesso que, por não ser uma apreciadora ferrenha do esporte, acabei ficando um tanto quanto entediada. O início se arrastou um pouco para mim, se tornando mais interessante quando Dion fazia alguma remissão a seu passado, principalmente sobre sua infância.

Apesar de todo amor que essa cachorrinha nos passa, ainda tive dificuldade na leitura em alguns momentos devido a falta de empatia com Dion. Acredito que o principal em uma autobiografia é você ser envolvido por seu narrador, para que possa querer saber cada vez mais sobre aquela história, mas, isso não acontecia em todos os momentos, fazendo com que a narrativa tivesse altos e baixos.

Quando Gobi aparece, ela simplesmente rouba a cena e o livro apresenta uma melhor fluidez. Que cachorrinha mais esperta e encantadora, sério! É impossível ler esse livro sem querer apertar a Gobi (momento felícia). Foi linda a forma com a qual ela mudou a vida de uma pessoa apenas com o amor mais puro e simples. Se esses animais não são verdadeiros anjos, eu não sei o que são.

Procurando Gobi nos mostra a importância do amor de um animal em nossas vidas e como elas podem ser muito mais felizes com a presença deles. É um livro que nos apresenta a importância do respeito por esses bichinhos de quatro patas e como, se abrirmos nosso coração para eles, nossas vidas podem ser muito mais felizes e repletas de luz tendo em vista o amor incondicional que recebemos.

Este não é um livro perfeito, como puderam ver, mas, apesar de alguns pontos negativos, a mensagem que o mesmo apresenta é tão linda e importante que vale a pena dar uma chance a leitura. Deixe-se encantar por Gobi e por esta história que nos mostra como o amor incondicional de um cão pode mudar uma vida.


E essa foi a resenha de hoje, pessoal! Espero que tenham gostado Beijos e até o próximo post!

10 comentários:

  1. Ooi,

    Realmente essa capa passa uma impressão bem diferente do que realmente se trata o livro. Eu não conheço muito sobre o ultramaratonismo e apesar de achar o assunto curioso, acho que não ficaria muito animada pra ler o livro. Talvez se eu conhecesse melhor o protagonista eu ficasse mais interessada. Vou deixar a dica passar, mas adorei a resenha!

    Beijos,
    Corujas de Biblioteca

    ResponderExcluir
  2. Semana passada li uma resenha desse livro e fiquei muito afim. E olha que eu nao gosto muito de leituras de não ficção, mas esse me empolgou por conta do cachorrinho. <3
    Com certeza vou dar uma chance a leitura.
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem? Eu amo livros com cachorrinhos e já quero muito ler esse, apesar dos pontos negativos citados. Sua resenha tá linda <3
    Beijos
    https://porvarioslugares.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    À primeira vista realmente a capa parece remeter a um tipo de Marley e Eu, ou no mínimo um romance fictício mesmo sobre um cachorro perdido, mas interessante saber que também é a autobiografia do ultramaratonista. Como também não sou muito ligada à esportes, só por saber desse detalhe da leitura, com trechos falando sobre o esporte e derivados já fiquei com um pé atrás e entendo bem o seu tédio, rs. E mais complicado ainda quando o autor não nos cativa, mas né, fazer o que. Ao menos a Gobi parece ter salvado uma parte da leitura, que realmente não é em vão porque cães e gatos são muito amor e bem sei do companheirismo incondicional deles! <3 A minha cachorrinha faleceu no ano passado depois de dez anos conosco, e até hoje lembro dela com emoção e sorrisos pelas risadas que ela nos fazia dar e pelo amor que sentíamos dela. E, bem, no geral não é um livro que me desperte o interesse para ler, mas valeu a dica mesmo assim.
    Beijos!

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ Sonhando aos Vinte ♥

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu acho difícil a leitura de livros autobiográficos justamente por isso, muitas pessoas que tentam contar suas histórias acabam não conseguindo se conectar com os leitores, falta passar alguma coisa que traga empatia para nós, senti isso mesmo com Um gato de rua chamado Bob. Gostei muito do livro e da história dos dois, mas não foi aquela coisa emocionante, sabe? (eu me senti mal por não ter tido empatia pelo autor rsrs). Enfim, entendo seu sentimento de frustração em relação a isso, acontece muito.
    bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  6. Realmente a capa remete a um drama tipo Sempre ao seu lado, foi o que me veio logo a cabeça. Confesso que autobiografias não são muito minha praia e o esporte também não entendo muito, por isso acho que também teria dificuldade com a trama. Mesmo assim,apesar disso, acho que o importante é essa mensagem que você bem pontua. Isso compensa em qualquer livro. Enfim, fica a dica para os que se interessarem.

    Beijos
    http://ventoliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Olá Polly,
    Eu não peguei esse livro imaginando um drama, como aconteceu com você, mas confesso que também tive problema de empatia com o Dion, achei tudo muito surreal em alguns momentos, sabe? Mas, como você disse, a mensagem desse livro é linda e é muito bonito ver como um pequeno serzinho como um cãozinho pode mudar uma pessoa.
    Ah, eu me apaixonei pela Gobi perdidamente.
    Amei sua resenha e sinceridade.
    Beijos ♥

    ResponderExcluir
  8. Oii
    uma pena o autor não ter conseguido criar maior empatia com o leitor, porque a história em si parece muito bonita. E como não ser com uma cachorrinha dessas, não é? Os animais são incríveis mesmo, tenho dois gatos e os amo como verdadeiros membros da minha família. Eles fazem uma diferença enorme em nossas vidas!

    http://anneandcia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Acho que iria me emocionar terrivelmente só com essa premissa. Não consigo não sentir quando tem animais e por conter relatos deve ser ao mesmo tempo intenso e reflexivo.
    Não sei se pegaria pra ler no momento, mas gostei da proposta.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  10. Oi Polly!

    Tudo bem? Confesso que não sou a maior fã de livros protagonizados por animais, acho bacana, mas aqueles que tentei ler simplesmente não funcionaram para mim...

    Para ser bem honesta eu não acho que preciso de um livro para me mostrar como é importante o que o minha cachorra sente é muito precioso e que eu também amo a Cristal a ponto de, às vezes, realmente vê-la muito mais do que um animal. Ela realmente embeleza meus dias e me faz mais feliz e estou constantemente ciente disso.

    Não acho que a obra seria interessante para mim, mas fico feliz que tenha gostado do livro, apenas não faz meu estilo então, por isso, vou passar a dica desta vez.

    Beijinhos - Jessie
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir