Resenha #221: O sal das lágrimas


Título: O sal das lágrimas
AutoraRuta Sepetys
Editora: Arqueiro
Nº de Páginas: 320
Inverno de 1945, Segunda Guerra Mundial.
Quatro refugiados, quatro histórias.
Joana, Emilia, Florian, Alfred. Cada um de um país diferente. Cada um caçado e assombrado pela tragédia, pelas mentiras e pela guerra. Enquanto milhares fogem do avanço do exército soviético na costa da Prússia, os caminhos desses quatro jovens se cruzam pouco antes de embarcarem em um navio que promete segurança e liberdade. Mas nem sempre as promessas podem ser cumpridas...
Profundamente comovente, O Sal das Lágrimas se baseia em um acontecimento real. O navio alemão Wilhelm Gustloff foi afundado pelos russos no início de 1945, tirando a vida de mais de 9 mil refugiados civis, entre eles milhares de crianças. É o pior desastre marítimo da história, com seis vezes mais mortos que o Titanic. 
Ruta Sepetys, a premiada autora de A Vida em Tons de Cinza, reconta brilhantemente essa passagem por meio de personagens complexos e inesquecíveis.
Olá pessoal, tudo bom com vocês? Há muito tempo eu li um romance histórico, que se passava na segunda guerra mundial, com foco em uma lituana. Foi uma história que me emocionou muito e desde então eu sabia que leria qualquer livro da autora que fosse lançado no Brasil. Recentemente, fiquei sabendo que a Arqueiro lançaria um novo livro de Ruta Sepetys. Mais que depressa corri para lê-lo e hoje venho conversar um pouquinho com vocês sobre minha experiência de leitura com O sal das lágrimas. Que tal conferir?

O navio alemão Wilhelm Gustloff foi um navio de cruzeiro alemão, torpedeado em 30 de janeiro de 1945 pelo submarino soviético s-13, no mar báltico, durante a operação Hannibal. Este era um navio que transportava militares alemães e refugiados, em sua grande maioria crianças. No momento do naufrágio o navio contava com o total de 10.582 pessoas, entre passageiros e tripulantes, vitimando aproximadamente 9400 pessoas, dentre elas cinco mil crianças.  A capacidade máxima do navio era de 1880 pessoas.

Este desastre náutico, o maior da história, maior até mesmo que o Titanic, juntamente com a Segunda Guerra Mundial são o pano de fundo histórico de O sal das lágrimas.
Através da narrativa JoanaEmíliaFlorian e Alfred, quatro personagens completamente diferentes, de nacionalidades distintas, com histórias de vida complexas e com uma bagagem enorme trazida pela guerra, conheceremos o enredo criado por Ruta.

Esses personagens tentam sobreviver aos diversos ataques soviéticos no conturbado fim de uma das guerras mais cruéis já vistas. Enquanto Alfred é instruído a cuidar do navio para chegada dos refugiados, Joana, Emília e Florian veem seus caminhos se cruzarem em meio à luta para que pudessem sobreviver enquanto tentavam chegar ao navio.

Vamos tendo narrativas alternadas entre os quatro, onde vemos diversas facetas da guerra, suas monstruosidades e a forma como as pessoas foram se perdendo, foram perdendo um pouco de sua humanidade enquanto lutavam para viver.

Acompanhar a trajetória de Joana, Emília e Florian, ver a forma com sofreram, a forma como a guerra afetou suas vidas e tudo o que conheciam e amavam é doloroso demais, porque é extremamente real. Ruta consegue nos tocar com sua escrita, transmitindo os sentimentos e as angústias de seus personagens, nos emocionando ao decorrer da obra.

Por sabermos o pano de fundo histórico desse livro, é impossível não ficar apreensivo a todo o momento imaginando qual vai ser a relação dos personagens com o navio e se irão sobreviver. Foi extremamente angustiante não saber o que esperar em meio a todo aquele caos, dor e sofrimento.
Acho que vocês perceberam que não citei Alfred, não é mesmo? Pois é! Este foi um personagem totalmente controverso para mim. No início, seus capítulos me pareciam algo completamente dispensável. O oficial nazista, completamente dominado pelas ideias de Hitler, escrevendo cartas para uma mulher que não conhecíamos... Até que sua presença se faz necessária e somos surpreendidos por sua história. Se quer saber, achei genial a saca da Ruta.

Não foi um personagem que me causou simpatia, mas foi interessante acompanhar um personagem tão complexo e falho e ver o papel que o mesmo desempenhou neste enredo e em sua história pessoal.
Falando em enredo, o é muito bem desenvolvido, a escrita de Ruta prende e emociona o tempo todo. Sua construção histórica está incrível e a forma como ela descreve as cenas, principalmente em relação aos efeitos da guerra e do que aconteceu no navio alemão são tão verossímeis que transporta o leitor para todo o horror vivido por aquelas pessoas.

Ver a condição a que foi reduzida a existência do ser humano, a forma como as pessoas lutavam por suas vidas, para reencontrarem pessoas que amaram, para se reencontrarem em meio ao caos foi impactante, angustiante, emocionante e incrível. É o segundo livro da autora que me emociona desta forma e isso me deixa sem palavras.

É bizarro pensar que tamanhas foram as atrocidades na segunda guerra, que este acidente náutico, que matou mais de nove mil pessoas, cinco mil crianças, tenha ficado de certa forma esquecido. Eu mesma sabia por alto do que se tratava, mas sequer imaginava suas proporções.
O único “porém” que levanto em relação a este livro, é o final. Ele é bem construído, amarra bem a história e não deixa nenhuma ponta solta. No entanto, eu senti que ele poderia ter sido um pouco mais desenvolvido, para que fosse ainda mais emocionante. Não é nada que desabone a história, muito pelo contrário, acho que é mais uma questão de perspectiva, vez que vi muitas pessoas que não se incomodaram com a forma como o mesmo fora construído.

Enfim! Essas foram algumas das minhas considerações sobre esta leitura incrível, que já se tornou uma das mais emocionantes do meu ano. Recomendo a todos que gostem de um bom romance histórico, bem ambientado, ímpar e completamente impactante. Esta é, sem sombra de dúvidas, uma leitura extremamente marcante, que ficará por muito tempo em seus pensamentos.

Espero que tenham gostado da indicação de hoje! Não deixem de comentar, ok? Beijos e até o próximo post!

9 comentários:

  1. Olá!

    Não conhecia o livro, de início a capa me chamou bastante a atenção.
    Só de saber que é um livro de romance histórico que se passa na época de uma guerra já me deixa com o coração apertado. Livros com essa temática tem o poder de me emocionar profundamente.
    Uma pena o final não ter sido tão bem desenvolvido, as vezes só por causa desse motivo nos decepcionamos com a história. Na maioria da vezes esperamos um final que nos deixe com a sensação de dever cumprido.
    Adorei a história do livro, espero poder ver mais a respeito dessa autora!

    ResponderExcluir
  2. Oie!

    Esse livro já está na minha lista de leitura, e espero conseguir ler em breve, pois realmente deve ser muito emocionante.
    Finalizei a leitura ainda esses dias de um livro da autora chamado Cinzas na Neve, que também fala sobre a segunda guerra mundial, pela visao de uma menina lituana, e achei muito interessante, pois é um lado de que não ouvimos muito falar quando falamos sobre esse triste acontecimento da nossa história né?

    bjao
    Início de Conversa

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Desde o lançamento desse livro pela Arqueiro que fiquei curiosa com a trama e pretendo ler ainda esse ano. Acho que o enredo tem tudo para me cativar, a ambientação em tempos de guerra me atrai bastante. Só espero que a narrativa entre esses personagens não me faça perder ao longo da leitura.
    Uma pena que o final teve suas ressalvas, mas ainda assim quero conferir.

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  4. Olá! Tenho visto tantos elogios sobre este livro! Sou apaixonada por livros com passagem na segunda guerra, e pelo que pude ver, esse romance tem tudo para ser emocionante e de deixar a gente como o coração na mão. Acho sempre legal quando tem um livro com a temática da segunda guerra, e acho que todo mundo devia ler, pra ter uma pequena, ínfima noção do que foi aquilo. Amei sua resenha!

    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  5. Fiquei extremamente interessado nessa obra, pois trata-se de uma temática que adoro ler. Ele parece ter um enredo intenso e surpreendente. Estou muito curioso para saber da história na íntegra. Anotada a dica.

    ResponderExcluir
  6. Oi, gostei muito de conferir sua opinião sobre essa leitura, ainda não sabia sobre o que se tratava o livro, deve ser mesmo emocionante e chocante acompanhar os personagens sabendo o que vai acontecer com o navio.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Eu tenho uma queda por romances históricos, por livros que se passem em determinados períodos históricos, mas sempre sofro horrores com eles. Até hoje não superei nenhum dos que li, vira e volta me pego recordando e sofrendo novamente.

    Eu não sabia sobre esta tragédia terrível. Fiquei chocada, pois já li muito sobre a Segunda Guerra Mundial e não me recordo de sequer ter esbarrado numa menção a esse fato tão triste, tão cruel. Guerras estão sempre dizimando mais e mais vidas, por interesses daqueles que detém o poder. Milhões de pessoas morrem por causa da sede de poder daqueles que estão no "controle do mundo". Hitler conseguiu a destruição que pretendia e vários outros países também tiveram suas participações nas milhões de mortes provocadas. Mas aquela guerra passou, deixando marcas impossíveis de serem arrancadas, feridas ainda abertas nos corações de tantas pessoas. Mas atualmente ainda existem países vivendo guerras terríveis e pessoas morrendo tanto no meio da guerra quanto ao tentar fugir para buscar refúgio. Este mundo segue um caos.

    Sei que vou chorar muito quando ler este livro, mas quero conhecer mais profundamente a história, ter este choque de realidade necessário.

    ResponderExcluir
  8. Olá, eu não conhecia esse lançamento, mas depois da sua resenha já fiquei morrendo de vontade de lê-lo também, adoro enredo que se passem em períodos de guerras e pela resenha a autora consegui trabalha bem essa temática e os personagens trazendo perspectivas dos dois lados *-* Adorei a dica <3

    ResponderExcluir
  9. Ainda não conhecia o livor e já fiquei master interessada porque adoro livros que se passem nessa época e principalmente por esse toque de história. Já estou com ranço do Alfred... rs Quero muito ler!!!
    beijos

    ResponderExcluir