.

Resenha #301: Os Quatro Ventos

 


Olá pessoal, tudo bom com vocês? Hoje vamos conversar um pouquinho sobre Os Quatro ventos, último lançamento da Kristin Hannah, que saiu recentemente aqui no Brasil pela Editora Arqueiro.



Toda vez que eu pego um dos livros da Kristin Hannah para ler, eu tenho a sensação de ter nas mãos um livro que irá me marcar profundamente. Pode parecer piegas e totalmente parcial (e é mesmo), mas fato é que os livros da autora têm um poder de me despertar sentimentos e sensações inesperados, e quase sempre me levam as lágrimas. É sempre uma honra ter meu coração partido por seus livros.


Ao saber do lançamento de Os quatro ventos, já fiquei cheia de expectativas pela leitura. Dessa vez a autora desenvolveu um enredo que se passava durante a grande depressão, nos Estados Unidos, onde uma crise econômica assolou o país e secas devastaram grandes planícies, fazendo com que várias famílias se vissem na miséria, sendo levadas a extremos para se manterem vivas.




“Elsa Wolcott passara anos em uma solidão forçada, lendo aventuras fictícias e imaginado outras vidas. Em seu quarto solitário, rodeada pelos romances que se tornaram seus amigos, ela às vezes se atrevia a sonhar com uma aventura própria, mas só às vezes.

 

E é nesse cenário que conhecemos a história de Elsa, uma mulher que foi criada por uma família extremamente tóxica, que a subjugou durante toda sua vida e que acreditava que nunca teria uma família ou realizaria seus sonhos.

 

E o que teria feito da própria vida? O que marcaria sua passagem por este mundo? Quem se lembraria dela e por qual razão?

 

Ao conhecer Rafe Martinelli, em uma das poucas situações em que se permitiu ser livre, viu sua vida se ligar a dele para sempre. O que parecia o início de uma vida realizada, no entanto, não tardou a mostrar as dificuldades que surgiriam de um relacionamento sem amor.


No entanto, se seu casamento não era perfeito, Elsa se viu pela primeira vez em sua vida, através dos Martinelli, pais de Rafe, em meio a uma família que a respeitava e que lhe acolhiam como era. E foi neste cenário que seus filhos nasceram, sua maior realização.



A grande depressão e a seca chegam, fazendo com que Elsa e sua família sofram os efeitos destas, assim como milhares de estado-unidenses. É nesse momento, cercada por incertezas, que Elsa terá a difícil decisão de se manter firme onde está ou partir rumo ao desconhecido para salvar aqueles que ama.


Através desse enredo Kristin Hannah nos entrega um drama que envolve relações familiares, a resiliência humana e sua força para sobreviver a adversidade e enfrentar provações por aqueles que se ama.



Só por aí, já dá para sentir o quanto esse livro tem o poder de tocar o leitor, certo? Uma isso a personagens extremamente bem construídos, complexos, repletos de camadas e que evoluem muito ao longo de toda trama. Eu amo a forma como Kristin Hannah consegue criar personagens que se assemelham tanto ao real.


Acompanhar toda essa história é acompanhar também a história de Loretta e Elsa, mãe e filha, ao mesmo tempo tão diferentes e semelhantes, que possuem uma relação de altos e baixos.


(...) Nós brigamos, discutimos, magoamos uma à outra, e daí? O amor é assim, acho. Tudo isso. Lágrimas, raiva, brigas. Mas acima de tudo, é permanente. Continua. Durante tudo o que aconteceu... a poeira, a seca, as nossas brigas, bem por um momento eu deixei de amar você.


Como muitas vezes acontece na realidade, aqui temos mãe e filha que se enxergam tão diferentes uma da outra, mas que ao longo da vida carregam anseios e sonhos tão similares. 



Foram muitos os sentimentos despertados pelos momentos das duas. Por alguns momentos raiva, em outros um carinho enorme. Uma filha repleta de força e energia, que muitas vezes não percebia ser a imagem e semelhança de sua mãe. E uma mãe forte e resiliente que é capaz de matar e morrer para ver seus filhos, sua maior alegria, bem.


Como se acompanhar as duas já não emocionasse o suficiente, ainda temos uma luta por sobrevivência, uma realidade cruel sendo exibida.


Sim, querido leitor, esse livro me emocionou e me levou as lágrimas por diversas vezes. Foi impossível não me apegar aos personagens, não sofrer com eles.


Kristin conseguiu mais uma vez. Conseguiu me emocionar com um de seus livros, conseguiu fazer com que me afeiçoasse a seus personagens, que seguisse com eles com o coração apertado por tudo o que vinham passando. Mais uma vez ela conseguiu fazer com que me apaixonasse por um de seus livros e é por isso que o recomendo hoje a todos vocês.

 

Sei que a resenha ficou um tanto quanto diferente, quase uma declaração a Kristin e sua obra, mas foi impossível fazer diferente quando me senti tão tocada por tudo o que li. Espero que tenham gostado de conferir um pouco das minhas impressões de leitura. Não deixem de comentar, ok? Beijos e até o próximo post! 




Autora: Kristin Hannah

Editora: Arqueiro

Nº de Páginas: 384

Texas, 1921. Passada a Grande Guerra, uma nova era de abundância parece surgir no horizonte. Mas, para Elsa Wolcott, considerada velha demais para se casar numa época em que o matrimônio é a única opção das mulheres, o futuro parece sombrio. Até a noite em que conhece Rafe Martinelli e decide mudar o rumo de sua vida. Com sua reputação em ruínas, ela acaba tendo que se unir a um homem que mal conhece.

Treze anos depois, o mundo é bem diferente: milhões estão desempregados devido à Grande Depressão e à seca que devasta as Grandes Planícies, dizimando plantações e provocando tempestades de areia. Tudo está morrendo na fazenda Martinelli, inclusive o casamento de Elsa e Rafe, e cada novo dia é uma batalha pela sobrevivência.

Nesse momento incerto e perigoso, ela deve fazer uma escolha angustiante: lutar pela terra que tanto ama ou deixar tudo para trás e partir para o Oeste, rumo ao desconhecido, em busca de uma vida melhor para sua família.

Com o estilo apaixonante de Kristin Hannah, Os quatro ventos é uma história sobre resiliência e a força do espírito humano para sobreviver à adversidade, vista pelos olhos de uma mulher cujo sacrifício e cuja coragem representam toda uma geração.


4 comentários:

  1. Passando pra ler sua opinião sobre o livro novo da KH e pra admirar o novo layout!!!
    Tá lindoooooooooooooooo
    bj

    ResponderExcluir
  2. Oi Pollyanna, tudo bem?
    Uau, Elsa parece uma protagonista incrível. Tudo que ela teve que passar é mesmo intenso, e em nenhuma circunstância ela teve opções fáceis à vista. Adorei a resenha! Ainda não li nada da autora mas conheço sua reputação de escrever romances e dramas arrebatadores.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  3. Oi Polly, tudo bem? Sempre vejo muitos elogios sobre a escrita da autora. Inclusive fiquei muito triste com a notícia mais recente. Pela sinopse já percebemos que a história irá nos emocionar e os personagens nos conquistar. Concordo com você, é um misto de sentimentos que nos faz querer continuar a leitura. Não deve ter sido fácil para a protagonista vivenciar tudo isso. Obrigada pela dica! Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  4. Oi Polly!
    Li apenas um livro da Kristin mas me marcou de uma forma surpreendente "Jardim do Inverno" foi uma experiência magnifica. Amei a capa, parabéns pela resenha, estou curiosa para conhecer os personagens principalmente Elsa e Loretta que são mãe e filha que brigam tem seu desentendimento mas são marcadas pela vida e as situações adversas, obrigado pela dica, bjs!

    ResponderExcluir

Pollyanna Campos

Mineira, apaixonada por livros, advogada, viciada em romances de época, séries e café. Ama viajar, ouvir a mesma música, ver os mesmos filmes, reler suas citações literárias favoritas e cuidar de suas plantas.




Caixa de Busca

Seguidores

Instagram

Youtube


Posts Populares

Destaque

Resenha #302: Carrie

  Olá pessoal, tudo bom? Hoje é dia de conversar um pouquinho sobre  Carrie , o primeiro livro lançado por  Stephen King   em sua carreira e...

Arquivos

Facebook

Tecnologia do Blogger.

Entre Livros e Filmes

Entre Livros e Séries