Destaques

Resenha #251: História de um grande amor

Por Polly - Entre Livros e Personagens •
10 fevereiro 2020

Olá pessoal, tudo bom com vocês? Arqueiro começou a lançar uma nova trilogia da Julia Quinn – Bevelstoke – e eu, claro, já corri para ler o primeiro volume! Que tal conferir minhas impressões de leitura de História de um grande amor?


Aos dez anos de idade Miranda já sabia que não se encaixava nos padrões de beleza da sociedade. A menina esperta, inteligente e com um coração enorme não nutre grandes esperanças por um futuro casamento ou um amor arrebatador, até que após a festa de sua melhor amiga, é levada para casa por seu irmão mais velho e passa a nutrir uma paixão platônica por ele.

Nigel – ou Turner, como preferia ser chamado – se casou, ficou viúvo, e Miranda o acompanhou durante anos, ainda com sua paixão platônica, vendo ele se tornar um homem solitário e amargo.

Ela, por sua vez, se tornou uma bela mulher – ainda fora dos padrões esperados pela sociedade –, de uma inteligência ímpar e um coração de ouro.

E é por sua bondade que ela tentará ajudar Turner a voltar a ser quem era – o homem simpático e gentil que ganhou seu coração e admiração.

No entanto, nada será tão fácil. Será que mesmo após anos de desilusões, o antigo Turner ainda existe? Será ele capaz de corresponder o amor de Miranda?


Não é novidade para ninguém neste blog que basta uma nova publicação da Julia Quinn surgir para eu passar na frente de basicamente todas as minhas leituras atrasadas. Eu simplesmente não resisto! Rs Ela, Lisa Kleypas e Mary Balogh têm sempre o primeiro lugar.

E é por estar sempre lendo algo da autora – seja livro recentemente escrito, como livros escritos há mais tempo – que é notória a diferença entre os personagens de agora e àqueles criados em 2007, como foi o caso desse livro.

Sendo assim, não pude deixar de notar que o romance vivido entre Miranda e Turner não é tão arrebatador como os criados nos Bridgertons, por exemplo. E não, não estou comparando uma obra à outra para criticar a autora. Na verdade, o que estou fazendo aqui é falando sobre uma evolução enorme pela qual a Julia passou em seus romances. Se este romance, por exemplo, não me convenceu tanto, os Bridgertons por outro lado, escrito em 2010, me arrebataram por completo e eu simplesmente amo acompanhar toda essa evolução na escrita de uma autora que amo!

Bem, tecida essas considerações, acho que posso começar a falar sobre a leitura em si.


Aqui temos um amor platônico nascido na infância. Miranda, que passa a escrever em seu diário aos 10 anos, por conselho de Turner, passar a expressar ali todo o seu sentimento pelo irmão mais velho da amiga, que foi gentil com ela em um momento em que se sentia mal.

Os anos vão passando, eles ficam mais velhos, ele se casa, fica viúvo e ela continua nutrindo um sentimento que já não é tão infantil assim.

É depois da viuvez do Visconde que a história entre os dois começa a se desenrolar, de uma forma meio estranha, onde eu não sabia ao certo se torcia para a Miranda fugir da cilada ou para Turner melhorar um pouco! Rs

Aqui vale a pena tecer outra consideração. Vi muita gente falando de como o personagem era machista, de como ele tinha uma visão ultrapassada das mulheres, mas para mim nenhum destes comentários foi relevante. Estamos falando aqui de um romance de época ambientado no século XIX e cá entre nós? Não havia desconstrução dos pensamentos machistas não. Mulheres realmente tinham poucos direitos e os homens nobres não eram tão devotos as suas mães e famílias. Eu não consigo ver como um ponto negativo um personagem criado a imagem e semelhança de um homem daquela época.

Mas se você já está encarando o livro com certo receio, deixo claro que esses “momentos” do personagem não duram toda a obra. Na verdade ele tem sim seus momentos sensatos, emotivos e até mesmo românticos, no entanto, é um misto tão grande que até agora não sei se gostei dele ou não! Rs

Quanto a Miranda, ela é uma moça acostumada a viver sem o carinho e atenção do pai e por isso, após a morte da mãe, passa a maior parte do seu tempo junto de Olívia e sua família. Ela é uma moça inteligente, de bom coração e que prefere passar o tempo com um bom livro no lugar de um salão lotado de novas pessoas. Ela é um ponto alto do livro, apesar de não ser consistente o tempo todo.

Ela e Turner tem um romance que de início não convence nem um pouco. A forma como tudo começa é no mínimo bem egoísta por parte dele e nesse ponto me vi torcendo para que ela encontrasse alguém melhor. Para ser sincera, eu só apreciei mesmo o casal quando já tinha passado de 60% e foi só um gostar. Em momento algum me apeguei a eles juntos, infelizmente.

Se Miranda é um dos pontos altos do livro, sua amizade com Olívia é O ponto alto do livro. As duas juntas são incríveis e a forma como uma sempre está lá pela outra, sempre se apoiando e vivendo coisas juntas é muito bacana de acompanhar. A amizade das duas me lembrou bastante Penélope e Eloíse, duas amigas da autora que eu simplesmente adoro!

Com exceção de Olivia, não temos outros personagens secundários tão presentes e imprescindíveis à trama, infelizmente. Queria ter visto muito mais da matriarca da família Bevelstoke, que parece ser incrível. Que ela apareça bastante no segundo volume, que nos apresenta a história de sua filha.

Outro ponto positivo deste livro é a escrita da Julia Quinn, que mesmo quando seu romance não nos arrebata, acaba nos prendendo do início ao fim, nos deixando curiosos pelo desfecho de sua história.

Em suma, este foi um livro gostoso de ler, mas pelo qual acabei não me apaixonando, como costuma acontecer nos livros da Julia. No entanto, foi ótimo poder ler uma nova história sua e ver como  a sua escrita e seus casais evoluíram de 2007 para cá. Se você quiser conferir essa evolução da autora, ou só está a procura de um romance de época mais leve para passar o tempo, deixo aqui minha recomendação.

No mais, só me resta dizer que estou muito ansiosa pelo segundo volume da série. O livro da Olívia promete e mal posso esperar.

Espero que tenham gostado do post de hoje. Não deixem de comentar, ok? Beijos!




Título: História de um grande amor
AutoraJulia Quinn
EditoraArqueiro
Nº de Páginas: 288
Aos 10 anos, Miranda Cheever já dava sinais claros de que não seria nenhuma bela dama. E já nessa idade, aprendeu a aceitar o destino de solteirona que a sociedade lhe reservava.Até que, numa tarde qualquer, Nigel Bevelstoke, o belo e atraente visconde de Turner, beijou solenemente sua mãozinha e lhe prometeu que, quando ela crescesse, seria tão bonita quanto já era inteligente. Nesse momento, Miranda não só se apaixonou, como teve certeza de que amaria aquele homem para sempre.Os anos que se seguiram foram implacáveis com Nigel e generosos com Miranda. Ela se tornou a mulher linda e interessante que o visconde previu naquela tarde memorável, enquanto ele virou um homem solitário e amargo, como consequência de um acontecimento devastador.Mas Miranda nunca esqueceu a verdade que anotou em seu diário tantos anos antes. E agora ela fará de tudo para salvar Nigel da pessoa que ele se tornou e impedir que seu grande amor lhe escape por entre os dedos.

Comentários via Facebook

9 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Quero muito ler os livros da Julia Quinn, mas esse não estou vendo falarem muito bem, como acontece com os outros, rsrsrs. Mesmo assim, fiquei curiosa para conhecer a história. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  2. Ainn sou super suspeita pra falar , porque amo Julia Quinn ,demais!! A capa é linda, as histórias são mágicas. A verdade é que esse ainda não li , o que me deixou super chocada é o fato de muitos leitores não estarem gostanto do livro,mas...
    Gostei bastante da sua resenha e também do post como um todo. As fotos estão lindas!

    um beijo

    www.chuvanojardim.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eu amo a Julia Quinn e ela é a única autora que eu leio de romances de época, mas confesso que fiquei um puco desapontada com este livro. esperava rir mais e achei os desencontros do final muito esticados. Mas quero ler a serie toda e estou curiosa com o livor que trara a Olivia como protagonista.
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Eu gostei muito dessa história, principalmente da Miranda que se mostrou uma personagem bem diferente e carismática, mas olha, o Nigel para mim poderia ser cancelado hahaha, que personagem que dá preguiça!

    ResponderExcluir
  5. Nunca li nenhum livro dessa autora, embora escreva romances de época, algo que gosto, seus enredos não me atraem muito. Mas que bom ver que você está ansiosa pelo segundo livro da série, tomara que no segundo os personagens te cativem mais.

    ResponderExcluir
  6. Nunca cheguei a ler nenhum livro da autora, apesar de já ter ouvido falar bastante sobre ela, ainda mais que parece que todo mundo gostou da escrita dela. E por isso mesmo fico desacreditada com os leitores tecendo comentários negativos sobre esse livro. Ironicamente, fico intrigada para conhecer melhor essa história e por fim dar o meu veredicto. Adorei sua resenha.

    ResponderExcluir
  7. Ainda não li nenhuma obra da escritora, mas confesso que minha curiosidade é imensa para saber como ela escreve. Acho que iniciarei por essa obra, pois fiquei bem curioso para saber dessa história na íntegra.

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?

    Eu ainda não li qualquer livro da autora, mas já conhecia a Julia Quinn por ler diversas resenhas dos livros dela, mas também porque a minha amiga Grazi adora a autora. Parabéns pela resenha, ficou muito boa!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Oi Polly!

    Fico muito feliz por saber que você gostou da leitura. Geralmente não curto a escrita da Quinn, sempre acho cansativa, até hoje desisti de dois livros dela, achei um péssimo e dois muito bons. A autora realmente não é uma das minhas favoritas.

    Amei essas capas, achei incrível que a Arqueiro tenha usado as artes (mesmo sendo de Quarteto Smythe-Smith segundo andei lendo.

    ResponderExcluir

Instagram

© Entre Livros e Personagens – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in