Resenha #203: O sonho do Tigre


Título: O sonho do tigre
AutoraColleen Houck
Editora: Arqueiro
Nº de Páginas: 600
Aguardado último livro da série A maldição do tigre, que teve direitos vendidos para a Paramount Pictures.
Colleen Houck já vendeu mais de 700 mil livros pela Editora Arqueiro.
Um passado de solidão. Um futuro de mágoa e abandono. E a possibilidade de mudar tudo, desde o começo.
Com a derrota do feiticeiro Lokesh, só parecia restar ao príncipe Kishan Rajaram passar a eternidade cumprindo a promessa de proteger a linda e irascível deusa Durga. Preso no passado, ele sofre depois que seu irmão, Ren, e Kelsey, a garota que ambos amam, voltam ao presente e começam a viver o seu “felizes para sempre”.
Então, quando o xamã Phet aparece pedindo sua ajuda para salvar Kelsey, Kishan agarra a oportunidade com unhas e dentes, disposto a voltar atrás na sua decisão de ficar no passado e assim mudar seu destino. O tigre negro está prestes a descobrir que aquilo que parece o fim pode ser apenas um recomeço...
Com um desfecho extraordinário, a autora Colleen Houck apresenta neste quinto volume uma visão completa da empolgante saga dos tigres. Numa complexa teia de viagens pelo tempo, Kishan e Durga concluem, entre idas e vindas, uma tarefa após a outra para garantir que a linha traçada para o destino da humanidade seja cumprida – o tempo todo lutando contra a tentação de interferir e redesenhar o futuro. 
Olá pessoal, tudo bom com vocês? A resenha de hoje é sobre um livro que encerra uma série que marcou muito o início do Entre livros e personagens. A série dos tigres foi um das primeiras que acompanhei como blogueira literária e a primeira a ser resenhada por completo aqui no blog.

Desta forma, quando soube que O sonho do tigre seria lançado, fiquei louca para realizar a leitura e saber finalmente qual foi o desfecho da história de nosso tigre ébano. Que tal conferir minhas impressões de leitura?

Resenha #202: Hibisco Roxo


Título: Hibisco Roxo
AutoraChimamanda Ngozi Adichie
Editora: Companhia das Letras
Nº de Páginas: 328
Protagonista e narradora de Hibisco roxo, a adolescente Kambili mostra como a religiosidade extremamente “branca” e católica de seu pai, Eugene, famoso industrial nigeriano, inferniza e destrói lentamente a vida de toda a família. O pavor de Eugene às tradições primitivas do povo nigeriano é tamanho que ele chega a rejeitar o pai, contador de histórias encantador, e a irmã, professora universitária esclarecida, temendo o inferno. Mas, apesar de sua clara violência e opressão, Eugene é benfeitor dos pobres e, estranhamente, apoia o jornal mais progressista do país.
Durante uma temporada na casa de sua tia, Kambili acaba se apaixonando por um padre que é obrigado a deixar a Nigéria, por falta de segurança e de perspectiva de futuro. Enquanto narra as aventuras e desventuras de Kambili e de sua família, o romance que mistura autobiografia e ficção, também apresenta um retrato contundente e original da Nigéria atual, traçando de forma sensível e surpreendente, um panorama social, político e religioso, mostrando os remanescentes invasivos da colonização tanto no próprio país, como, certamente, também no resto do continente
Olá pessoal, tudo bom com vocês? Após ler ‘No seu pescoço’, fiquei super curiosa para conferir as obras ficcionais da Chimamanda, uma autora que eu simplesmente admiro muito! Portanto, quando surgiu a oportunidade de ler Hibisco Roxo eu não pensei duas vezes e cá entre nós?  Foi uma leitura incrível! Vem saber mais sobre ela!

Resenha #201: A grande solidão


Título: A grande solidão
AutoraKristin Hannah
Editora: Arqueiro
Nº de Páginas: 395
Imprevisível. Implacável. Indomável.
Para uma família em crise, o último teste de sobrevivência.
Atormentado desde que voltou da Guerra do Vietnã, Ernt Allbright decide se mudar com a família para um local isolado no Alasca.
Sua esposa, Cora, é capaz de fazer qualquer coisa pelo homem que ama, inclusive segui-lo até o desconhecido. A filha de 13 anos, Leni, também quer acreditar que a nova terra trará um futuro melhor.
Num primeiro momento, o Alasca parece ser a resposta para tudo. Ali, os longos dias ensolarados e a generosidade dos habitantes locais compensam o despreparo dos Allbrights e os recursos cada vez mais escassos.
Porém, o Alasca não transforma as pessoas, ele apenas revela sua essência. E Ernt precisa enfrentar a escuridão de sua alma, ainda mais sombria que o inverno rigoroso. Em sua pequena cabana coberta de neve, com noites que duram 18 horas, Leni e a mãe percebem a terrível verdade: as ameaças do lado de fora são muito menos assustadoras que o perigo dentro de casa.
A Grande Solidão é um retrato da fragilidade e da resistência humana. Uma bela e tocante história sobre amor e perda, sobre o instinto de sobrevivência e o aspecto selvagem que habita tanto o homem quanto a natureza.
Olá pessoal, tudo bom com vocês? A resenha de hoje é de um lançamento de uma das minhas autoras favoritas da vida: Kristin Hannah. Sempre que vejo um novo livro dela eu corro para conferir, consciente de que vou ser envolvida por sua escrita e acabarei com o coração destroçado. Quando soube do lançamento de ‘A grande solidão não hesitei um segundo sequer em solicitá-lo. Que tal saber quais foram minhas impressões de leitura?

Resenha #200: Vox


Título: Vox
AutoraChristina Dalcher
Editora: Arqueiro
Nº de Páginas: 320
Uma distopia atual, próxima dos dias de hoje, sobre empoderamento e luta feminina.
O SILÊNCIO PODE SER ENSURDECEDOR #100PALAVRAS
O governo decreta que as mulheres só podem falar 100 palavras por dia. A Dra. Jean McClellan está em negação. Ela não acredita que isso esteja acontecendo de verdade.
Esse é só o começo...
Em pouco tempo, as mulheres também são impedidas de trabalhar e os professores não ensinam mais as meninas a ler e escrever. Antes, cada pessoa falava em média 16 mil palavras por dia, mas agora as mulheres só têm 100 palavras para se fazer ouvir.
...mas não é o fim.
Lutando por si mesma, sua filha e todas as mulheres silenciadas, Jean vai reivindicar sua voz.
Olá pessoal, tudo bom com vocês? Hoje a resenha é de um livro de um gênero tanto quanto diferente daqueles que vocês estão acostumados a ver aqui no blog! Hoje vou falar um pouco sobre a distopia VOX, lançamento da Editora Arqueiro que me deixou extremamente impactada! Bora saber mais sobre ele?

Resenha #199: Quem tem medo do feminismo negro?


Título: Quem tem medo do feminismo negro?
AutoraDjamila Ribeiro
Editora: Companhia das Letras
Nº de Páginas: 148
Quem tem medo do feminismo negro? reúne um longo ensaio autobiográfico inédito e uma seleção de artigos publicados por Djamila Ribeiro no blog da revista CartaCapital, entre 2014 e 2017. No texto de abertura, a filósofa e militante recupera memórias de seus anos de infância e adolescência para discutir o que chama de “silenciamento”, processo de apagamento da personalidade por que passou e que é um dos muitos resultados perniciosos da discriminação. Foi apenas no final da adolescência, ao trabalhar na Casa de Cultura da Mulher Negra, que Djamila entrou em contato com autoras que a fizeram ter orgulho de suas raízes e não mais querer se manter invisível. Desde então, o diálogo com autoras como Chimamanda Ngozi Adichie, bell hooks, Sueli Carneiro, Alice Walker, Toni Morrison e Conceição Evaristo é uma constante.Muitos textos reagem a situações do cotidiano — o aumento da intolerância às religiões de matriz africana; os ataques a celebridades como Maju ou Serena Williams – a partir das quais Djamila destrincha conceitos como empoderamento feminino ou interseccionalidade. Ela também aborda temas como os limites da mobilização nas redes sociais, as políticas de cotas raciais e as origens do feminismo negro nos Estados Unidos e no Brasil, além de discutir a obra de autoras de referência para o feminismo, como Simone de Beauvoir.
Olá pessoal, tudo bom com vocês? Há algum tempo comecei a estudar mais sobre o feminismo para passar a entender de fato a nossa sociedade e a necessidade real do mesmo para nós mulheres. Não sou especialista no assunto (longe disso), mas acho que a melhor arma contra a ignorância e preconceito é o conhecimento, portanto, sempre que esbarro em algo dentro do feminismo que desconheço, busco saber um pouco sobre. Foi assim que acabei descobrindo o livro “Quem tem medo do feminismo negro?”, que me tirou da minha zona de conforto e me fez entender um pouco sobre uma temática que eu francamente não entendia muito. Vamos conversar um pouco sobre ele?